Foto

DESCONTROLE -SE E SEJA MAIS FELIZ

Desnecessário é querermos questionar a influência enorme que tem na nossa vida e no nosso dia-a-dia, a cultura, a religião e as várias normas e regras a que somos submetidos e até obrigados.

          Os limites são importantes. Sem eles não crescemos e não conseguimos viver em sociedade. Se alguém me faz muita raiva, eu não posso lhe dar um tiro na cara. Se está fazendo muito calor eu não posso tirar a roupa e sair na rua. Não basta apenas o meu querer. A toda hora estamos submetidos aos limites da vida. Se eu quero beber muito não posso, porque me tornaria um doente, um inconveniente. Se eu quero comer muito não posso, pois assim me tornaria um obeso com todas as desvantagens médicas, estéticas e sociais.

          Então colocar limites é importante. Educar é colocar limites. É dizer não na hora certa. Colocar limites é ensinar a viver, mas sem colocar culpa. Colocar limites é seguir, então, certas normas que foram criadas por outras pessoas. Os nossos pais nos ensinam o que devemos e o que não devemos fazer. Nossos professores, os religiosos, nossos consultores, também nos ensinam o certo e o errado.

              Muito bem, o limite é muito importante. Todos nós sabemos o desconforto que é lidar com uma criança sem limites. O alcoolismo é falta de limites. A obesidade é falta de limites.

              Mas só que na maioria das pessoas foi imposto um limite exagerado, levando a um controle severo da pessoa frente aos sentimentos e as emoções da vida.

          Então o controlado é o oposto do sem limite. É aquele que não lhe foi permitido manifestar.

          Se morre uma pessoa querida ele não chora, porque afinal ele é controlado, ele tem que aguentar firme. É forte. Se alguém lhe faz raiva ele não se defende, porque não pode ofender ao outro. Se bateram em seu carro ele não reclama. Se o tapete lhe fez escorregar e cair ele não xinga. E dessa forma vai acumulando sentimentos negativos e chega um momento em que ele explode. É a gota d'água. Por uma coisa à toa, por um problema simples, a pessoa explode, briga, bate, quebra tudo. Quer dizer são sentimentos negativos, são momentos de raiva que vão acumulando, que vão sendo reprimidos e em determinado momento a pessoa transborda e vai manifestar com uma reação exageradamente desproporcional à causa que desencadeou. Se em um velório a pessoa chora demais, com certeza ela está chorando a morte daquela pessoa e também outras mortes que ela não chorou no passado. Se em uma batida de carro a pessoa briga demais, é sinal que em outras ocasiões ela não falou o que devia, não argumentou com inteligência. Então o explosivo é aquele que não expressa suas emoções. É aquele que reprime muito os seus sentimentos.

          O perfeccionista geralmente é um "controlado". Se controla demais porque quer tudo muito certo. Não pode falar quando precisa, não pode decepcionar, não pode descontrolar.

          Há pouco tempo um jornal publicou a história de um senhor com 72 anos de idade e que teve uma discussão com alguém e matou o outro. E o espanto dele e dos amigos, é que ele sempre foi uma excelente pessoa, muito controlado, nunca foi de ofender as pessoas... .Então é exatamente por ter sido sempre controlado que em um determinado momento ele perdeu o controle. Ninguém aguenta. O controlado é uma panela de pressão, vai acumulando coisas e comprimindo ali dentro. É uma bomba que vai explodir a qualquer momento: ou na sua úlcera, ou no seu aneurisma, ou na sua enxaqueca, ou em uma simples discussão com o outro.

          E até nos nossos relacionamentos com amigos e relacionamentos afetivos é difícil conviver com quem é muito controlado. O "bonzinho" é um controlado. Nunca você sabe como agradá-lo. Ele não fala, ele não revela as suas vontades, o que lhe desagrada. Para ele está sempre tudo bom. Se vai sair com a namorada, ele sempre diz: "é você que escolhe onde vamos. Para mim  qualquer lugar está bom." E as vezes vai, não gosta e emburra. Não põe para fora. Se você quer agradá-lo, é impossível porque nunca se sabe onde ele quer ir, o que ele mais gosta. É o bonzinho, o legal. Lá na frente ele vai explodir.

      Então o controlado, o bonzinho, é um desequilibrado. Para ser equilibrada a pessoa deve abrir mão do seu controle.

          Existe muita diferença entre o controlado e o equilibrado. Entre o controle e o equilíbrio.

          O equilibrado é aquele que sabe dizer um não na hora certa. É aquele que quando alguma coisa o desagrada, ele fala, ele se defende, ele argumenta. Se a esposa fala alguma coisa que ele não gosta, ele diz: "fulana, veja o que você falou. Repita de novo e nesse mesmo tom isso que você falou. Veja se é assim que se fala com a pessoa que você mais ama." E com uma pitada de humor ele fala o que deveria e deixa a outra pessoa sem graça. Se algum amigo lhe ofende, ele assenta, conversa, dialoga, fala da sua insatisfação e continua o seu dia - a- dia feliz.

          E é bom deixar claro que para se defender, para "não engolir sapos", também não é preciso "soltar os cachorros".

          É possível falar das suas insatisfações, é possível se defender, sem Ter de desrespeitar o outro, sem ter de esbravejar, sem ter de tomar atitudes severas.

          O equilibrado vai resolvendo os seus problemas e insatisfações à medida que elas vão surgindo. Ele não acumula e portanto não explode. E para se conseguir isso é necessário um aprendizado, um treinamento, uma vigilância dia-a-dia em seu comportamento. É necessário criar uma disciplina no seu comportamento e na sua maneira de  responder as emoções e as agressões.

VOLTAR